Entrevista com a autora Baby Grayson



Baby Grayson é o pseudônimo de uma paulistana de temperamento forte e um sorriso espalhafatoso. Baby como é chamada carinhosamente por seus amigos literários, é formada em administração e pós-graduada em gestão de processos. O amor pela literatura surgiu durante sua adolescência quando aos quinze anos, escreveu seu primeiro poema “Magia do Amor”. Estimulada por seus familiares e amigos em 2020, decidiu dar asas ao seu sonho de escrita publicando seu primeiro romance em versão digital, conheça um pouco mais sobre a autora nessa entrevista exclusiva


Quem é “nome do escritor(a)”? O que podemos esperar em suas histórias?

Histórias reais baseadas em pessoas do meu do dia a dia, que de um modo único e especial me marcaram, contribuindo para que eu fosse a Barbara de hoje. Enredos recheados de superação e crescimento emocional envoltos em romances, que nos levam a compreender, que a dificuldade por mais difícil que seja, pode nos acrescentar desenvolvimento e amadurecimento.


Qual foi a sua maior inspiração no começo da escrita?

Ah sem duvidas Nicholas Sparks me lembro que, quando li Um amor Para Recordar pela primeira vez, me emocionei completamente conforme a leitura ia discorrendo.

Fiquei completamente em êxtase ao compreender o quão maravilhoso era o poder da escrita, pois apenas com as linhas inicias daquela historia, me vi totalmente capturada e transportada para um mundo à parte.

E naquele momento eu compreendi que a leitura não apenas enriquecia meu vocabulário ou me auxiliava no meu desenvolvimento intelectual, mas me possibilitava navegar entre vários mundos, e viver uma diversidade de vidas e emoções sem sequer sair do lugar.


Quando percebeu que escrever era o que mais te alegrava?

Ainda na adolescência. Acho que isso devo muito a minha avó graças à influência dela eu ouvia muito rádio e lia bastante, então escrever e externar minhas emoções em pequenas frases, poemas ou breves trechos, acabaram se tornando algo agradável que me fazia um enorme bem.


Qual clichê não pode faltar de forma alguma em um romance?

A descoberta do amor e suas lutas.


Qual o seu clássico favorito?

Dom Casmurro de Machado De Assis.


Se pudesse transformar um livro em filme, qual seria?

Perto do Coração Selvagem da Clarice Lispector.


Se você ficasse presa(o) numa ilha e pudesse escolher três livros, quais seriam?

Sem duvidas seriam: Um Amor Para Recordar de Nicholas Sparks, Encontre a sua verdade do Osho, e Perto do Coração Selvagem da Clarice Lispector.


Existe algum autor que todo mundo ama e você não?

Não. Até porque tenho algo muito claro comigo, gosto é pessoal, sendo assim não existe nada ruim ou desagradável. Mas que apenas não se adequou a mim enquanto leitora, no momento que decidi embarcar naquela história em especifico.


O que fazer quando no meio da leitura você percebe que o livro é chato?

Abandono à leitura e me abstenho de comentários depreciativos, pois a história pode não ter me agradado, mas existe uma pessoa por trás que se empenhou e se entregou para dar vida a ela. E sendo assim, respeito é o mínimo que se espera.


Qual a maior vantagem de ser um autor(a) independente?

Não precisar se preocupar com prazos e metas.


Na sua biblioteca não podem faltar quais gêneros?

Sou eclética, então tenho de tudo. Para mim a história me cativando não faço restrição quanto a gênero.


O que você mudaria no mercado literário hoje?

Eu promoveria ações que além de incentivar a literatura nacional, mostrassem a rotina de um autor independente. Que deixassem explicito como publicar um livro além de custoso é desgastante emocionalmente e fisicamente. Enfim um marketing assertivo com campanhas que promovam a educação e conhecimento. Acredito que ações simplórias e bem difundidas, podem promover uma mudança significativa em nosso cenário atual.


Como incluir pautas de identidade, antirracistas e sociais dentro de um romance?

Fazendo pesquisas, buscando o assunto a fundo, e evitando ao máximo incluir suas opiniões ou achismos sobre quaisquer temais.


Qual o papel da literatura na formação de um cidadão?

Acredito que imprescindível, pois a literatura é atemporal ela tem o poder de marcar gerações e influenciar pensamentos.


Você acha que exista um limite para o autor(a) expor suas visões políticas em um romance?

Sou totalmente contra a censura.


Qual a sua expectativa para a Sevai 2021?

Uma troca de aprendizado mutua, além de conhecer e interagir com autores e leitores que são tão essenciais em nosso ambiente literário.


Você pode acompanhar o trabalho de Baby em seu Instagram e encontrar seus livros na Amazon.